"Me considero uma intérprete da natureza"

Nascida em São Paulo, a escultora e artista plástica Denise Milan usa diversos tipos de pedras como parte de seu imaginário criativo. Ouro, quartzo e basalto são alguns dos elementos da natureza que compõem a identidade artística da escultora; o ambiente natural é sua matéria prima. 

 

(Créditos: Leila Fugii)


A artista já participou de muitas exposições de renome, em São Paulo, por exemplo, integrou a lista de artistas que estiveram na Bienal Internacional, no Museu de Arte Moderna (MAM) e o Museu de Arte de São Paulo (MASP), Museu de Arte Contemporânea (MAC), assim como também participou de inúmeras exposições internacionais, como foi o caso da mostra individual em Washington D.C, na galeria Wilson Center.

 

(Créditos: Leila Fugii)

 

Porém, uma das mostras que acabou ganhando mais notoriedade, foi sua exposição em Assis, na Itália. A obra Mandala de Pedra foi instalada em um dos berço da arte renascentista, a Piazza Santa Maria degli Angeli, centro histórico que abrigou sua produção. 

 

(Créditos: Leila Fugii)



Denise cria sua obra como um instrumento de navegação da Terra no sistema solar, sob a forma de uma mandala. E mais uma vez articula a construção das pedras, foco de seu interesse há três décadas: no caso, foi atrás do calcário branco e rosa da Umbria, presente nos sítios arqueológicos da região. 
 


A artista também foi precursora do Arte Pública Brasil, curso que aborda a arte pública brasileira, fazendo conexões das origens ao século XXI, com o uso do arquivo fotográfico pessoal.
 

(Créditos: Leila Fugii)


Em sua nova mostra individual intitulada ConCentração, que fica em cartaz na Galeria Lume até o dia 7 de dezembro, a artista destaca o chamado para que possamos nos reconectar com a natureza. "É a anunciação do despertar de um novo homem, que diante da falência das estruturas por ele inventadas, busca essa transformação, uma nova maneira de conduzir sua vida”, afirma.

 

(Créditos: Leila Fugii)


A exposição possui 14 obras, dentre elas, estão esculturas, desenhos vídeos e objetos tridimensonais. Segundo o curador da nova mostra Marcello Dantas, "O que une essas obras é um elemento intangível, que é a busca por revelar uma organização formal entre dois centros: um real e um imaginário, em sobreposição um ao outro", conclui. 

Comentários
Escola Entrópica no Instituto Tomie Ohtake Museu de Arte Moderna de São Paulo