7 artistas lésbicas para conhecer: Lê Nor (1/7)

 

Talvez a principal pauta que o movimento lésbico levanta é referente a visibilidade e junto a ela o que deriva desse apagamento. De todas as formas a História hegemônica e seus escritores fizeram (e fazem) um esforço grande para duvidar e apagar a lesbiandade. 

 

                            "Mas nós lésbicas, sempre fomos história." Bárbara Esmenia. 

 

Com a série de 7 publicações que se incia hoje vamos conhecer uma parcela da produção lésbica contemporânea nas artes. Artistas visuais e escritoras que refletem em suas produções sobre a corpa lésbica, raça, gênero e memória.   

Esse é aquele primeiro momento de quando começamos a organizar as vontades e as ideias  para algo maior que o tempo nos leva a aprofundar. 

                                                                                ***

 

                                                                        LÊ NOR

 

 

 

A artista plástica e educadora Alessandra Noronha, mais conhecida como Lê Nor, é paulistana da zona leste. O graffiti foi porta de entrada no mundo das artes.

Do desenho a escrita, seu trabalho tem caráter autobiográfico e em diálogo com a realidade social na qual está inserida. Apresenta imagens de mulheres negras, afroindígenas, dos povos negros e seres relacionados a natureza.
 

                                                                       NEGRO

                                                                          de dentro

                                                                           pra fora

                                                                             nasce

                                                                                os

                                                                           ancestrais

 

 

 

 

A artista faz parte da Coletiva Luana Barbosa, grupo composto por mulheres negras e afroindígenas, cujo intuito é emancipar a luta de outras mulheres, em especial as negras, indígenas, mães, lésbicas e bissexuais.

Além das atividades realizadas pelo grupo, como rodas de conversa sobre maternidade lésbica/bi, racismo, gordofobia, classismo; e também realizando projetos com o público em situação de rua, o coletivo produziu o documentário  “Eu sou a próxima” com intuito de dar visibilidade à situação das mulheres lésbicas com o foco nas mulheres negras e afroindígenas de periferia, falando sobre o lesbocídio e lesbofobia.

 

Você  pode conhecer mais sobre seu trabalho clicando aqui e aqui.

Comentários
Escola Entrópica no Instituto Tomie Ohtake Museu de Arte Moderna de São Paulo