Dolores e Julia contam sobre carreira e influências musicais

No dia cinco de agosto Perotá Chingó fez o último show na turnê pelo Brasil na choperia do Sesc Pompéia. A casa estava cheia e público bastante ansioso para a chegada da banda.

Com descontração e leveza, Dolrez e Julia faziam piadas entre uma música e outra,  cantaram seu último álbum AGUAS e alguns outros sonidos do disco anterior.

Entre encontros e desencontros consegui alguns minutinhos antes do shows para uma breve entrevista. Me receberam com simpatia para as perguntas e algumas fotos que você pode conferir abaixo!

Crédito: Laila Siqueira

L: Uma vez que vocês optaram por estar no cenário independente da musica, como vocês viabilizam a rotina de shows e turnês? Como vocês lidam com esse lugar?


D: A gente escolhe esse caminho independente porque tem muitas pessoas ajudando a gente. Tem muitas pessoas que gostam do projeto e que estão aí fazendo com que isso seja possível. Se as pessoas não estivessem aí tão ligadas seria difícil de continuar assim, nesse caminho.

Eu acho que é uma benção isso, não? Podermos ser donas da nossa arte, do nosso caminho. Poder escolher aonde queremos tocar, de que jeito e quais músicas. Ao mesmo tempo é muito mais trabalho do que se derivarmos [transferirmos] esse trabalho para alguma outra pessoa que fizesse por nós. Tipo se encarga [encarrega] e consegue as datas e faz tudo e a gente só vai e toca.

É um trabalho bem, bem difícil na verdade que no começo foi bem natural, porque a gente só viajava e tocava. Mas hoje em dia é muito maior e mais complexo, tem muitas mais pessoas envolvidas e trabalhando. Então isso precisa de muito mais trabalho, muito mais precisão na hora de fazer. Estamos nos organizando cada dia mais e também aceitando o crescimento que está acontecendo.

Crédito: Laila Siqueira

L: Quais são as suas principais influências e como se dá a troca entre o que cada uma escuta e conhece dentro da música?


J: Lolla e eu somos muito diferentes musicalmente. Ela é mais música raiz que eu não escutava tanto, o folclore de cada país.. Minhas influências são mais música eletrônica...gosto muito da Bjork e agora estou escutando muito a música atual por uma situação de sentir...como algo  sociológico que está passando com reggaton, com trap.

Me agrada, me parece algo forte e que também influencia minha vida porque é algo que quando escuto...tem uma letra que não compus mas sinto que é uma realidade que nos esta passando um pouco a todos.

Então estou nessa, escutando um pouco a música que está acontecendo agora e também combinando um pouco com essa música raiz que Lolla trás. Combinar um pouco o primitivo com o atual e aí compomos juntas e sacamos um pouco Perotá Chingó.

***

Agora o grupo se preparam para viajar para Europa para outra turnê que começa em setembro.

 

  •  (Crédito: Fotos: Laila Siqueira)
    (Crédito: Fotos: Laila Siqueira)
  •  (Crédito: Fotos: Laila Siqueira)
    (Crédito: Fotos: Laila Siqueira)
  •  (Crédito: Fotos: Laila Siqueira)
    (Crédito: Fotos: Laila Siqueira)
  •  (Crédito: Fotos: Laila Siqueira)
    (Crédito: Fotos: Laila Siqueira)
  • Dolores Aguirre (Crédito: Fotos: Laila Siqueira)
    Dolores Aguirre (Crédito: Fotos: Laila Siqueira)
  • Julia Ortiz (Crédito: Fotos: Laila Siqueira)
    Julia Ortiz (Crédito: Fotos: Laila Siqueira)
  •  (Crédito: Fotos: Laila Siqueira)
    (Crédito: Fotos: Laila Siqueira)
  •  (Crédito: Fotos: Laila Siqueira)
    (Crédito: Fotos: Laila Siqueira)
  •  (Crédito: Fotos: Laila Siqueira)
    (Crédito: Fotos: Laila Siqueira)
  •  (Crédito: Fotos: Laila Siqueira)
    (Crédito: Fotos: Laila Siqueira)
    Comentários
    Escola Entrópica no Instituto Tomie Ohtake Museu de Arte Moderna de São Paulo