As obras da Pinacoteca agora podem conversar com você

Bananal, de Lasar Segall, é uma das obras que conta com o assistente cognitivo (Créditos: Reprodução)

 

Segundo estudo do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) realizado em 2010, 70% dos brasileiros nunca foram a um museu ou a um centro cultural.

Baseado nisso, a Pinacoteca, em parceria com a IBM, conta agora com um Assistente Cognitivo que responde perguntas dos visitantes sobre sete obras de arte do acervo do museu e está disponível ao público desde 5 de abril. A iniciativa é inédita no Brasil.

 

>> Fotógrafos abordam o jeito e a pele do corpo negro e baiano

 

A ideia é despertar a curiosidade do público sobre o que pode estar por trás das obras, estimulando as pessoas a conhecerem mais as peças e seu contexto histórico.

 

São Paulo, de Tarsila do Amaral, também conta com o assistente (Créditos: Reprodução)

 

O projeto pretende utilizar a computação cognitiva como uma importante ferramenta para proporcionar aos visitantes uma experiência diferente no contato com as obras selecionadas, buscando contribuir para o aumento do interesse dos brasileiros pela arte.

 

>> Cacá Carvalho se apresenta em monólogo inspirado em Dostoiévski

 

A visita através do assistente é fácil e se realiza com recurso a smartphone com fone de ouvido e o aplicativo mobile do projeto ‘A Voz da Arte’ instalado.

O visitante recebe uma notificação sempre que estiver próximo de uma obra interativa e será estimulado a interagir por meio de perguntas em português. Deficientes auditivos também podem participar da experiência por meio de conversa escrita - chat.

 

Comentários
Escola Entrópica no Instituto Tomie Ohtake Museu de Arte Moderna de São Paulo