Peça questiona ética dos brasileiros nos tempos atuais

(Créditos: Divulgação / Andre Stefano)

 

Fabiana, filha do doleiro Josias, delatado na operação Lava Jato, é sequestrada por criminosos, a pedido de uma amiga de infância, chamada Disneilândia.

A partir daí, o espetáculo Pessoas Brutas apresenta personagens invisíveis da cidade de São Paulo, que lutam pela sobrevivência sem questionar limites morais ou legais.

A peça está em cartaz no Espaço dos Satyros Um até 9 de setembro.

A montagem é a terceira parte da Trilogia das Pessoas, iniciada em 2014, como forma de abordar os anônimos moradores da metrópole de São Paulo, em diferentes regiões da cidade, em suas aspirações, seus medos e cotidianos.

 

(Créditos: Divulgação / Andre Stefano)

 

A montagem é a terceira parte da Trilogia das Pessoas, iniciada em 2014, como forma de abordar os anônimos moradores da metrópole de São Paulo, em diferentes regiões da cidade, em suas aspirações, seus medos e cotidianos.

Neste contexto, surge um vendedor de sapatos que se tornou herói por ter salvo uma pessoa da morte, um casal de youtubers em relação de abuso, o encontro amoroso de um contador evangélico e uma recepcionista de hotel, e dois sequestradores que se inspiram nas pessoas que conseguiram vencer no Brasil: os bandidos de Brasília e os bandidos da quebrada.

As personagens se cruzam em um encontro da comunidade Quem quer amigos?, que levará todos a um final desconcertante.

 

(Créditos: Divulgação / Andre Stefano)

 

Em especial, Pessoas Brutas discute a possibilidade da ética dos brasileiros diante de um país moralmente arrasado. Em um dos momentos mais difíceis da nossa história, Os Satyros pretendem discutir o momento atual a partir de um termo  que dificilmente pode se aplicar à realidade da sociedade brasileira atual: o heroísmo.

 

(Créditos: Divulgação / Andre Stefano)

 

  • Estação Satyros - Praça Franklin Roosevelt, 214 - Consolação, São Paulo
    (11) 3258-6345
    + Ver mapa
  • 26/08/2017 a 09/09/2017
  • Quarta a sexta: 21h.
  • Inteira: R$ 40. Meia: R$ 20.
Comentários
Escola Entrópica no Instituto Tomie Ohtake Museu de Arte Moderna de São Paulo