Peça narra o lamento de mulheres sobre o futuro

As árvores do Sesc Ipiranga vão ser tomadas, todas as quintas de junho, para a apresentação do espetáculo O Canto das Mulheres do Asfalto.

Quando as mulheres desistem de parir, negam o futuro, dando fim ao morticínio dos seus filhos pela crueldade presente, o que acontece?

 

Apresentação do espetáculo "O Canto das Mulheres do Asfalto" no Largo do Arouche (Créditos: Reprodução / Facebook)


‘O Canto das Mulheres do Asfalto’ é composto por diversos cantos que desdobram a premissa de um mundo onde as mulheres se recusam a parir novos filhos, exaltando um agora sem ficções futuras, sem esperanças inúteis. 

A peça explora meandros de uma contemporaneidade insensível à condição humana do próprio homem. Vozes que se multiplicam dentre essas mulheres, mães e filhas, santas, prostitutas, velhas e moças, cuja desesperança futura celebra um presente que precisa ser ouvido.

 

Apresentação do espetáculo "O Canto das Mulheres do Asfalto" no Largo do Arouche (Créditos: Reprodução / Facebook)


Do alto de uma árvore, a peça começa: “Não vou lançar mão de subterfúgios. Ela não vai me perguntar alguma coisa para que eu explique o porquê de tudo, o porquê de nada, o porquê é assim e não foi assado. Foi-se o tempo das perguntas. As respostas prostituíram a esperança e o sol de cada dia embaçou nossas vistas. Nossa lida deixou de ser vida. Nosso corpo é máquina imperfeita, eliminada sem piedade. Há mais vida nesse prédio do que em todas nós aqui reunidas. Esse canto é um lamento.”
 

Apresentação do espetáculo "O Canto das Mulheres do Asfalto" no Largo do Arouche (Créditos: Reprodução / Facebook)

 

 

  • Sesc Ipiranga - Rua Bom Pastor, 822 - Ipiranga , São Paulo
    (11) 3340-2000
    + Ver mapa
  • 01/06/2017 a 22/06/2017
  • Quinta: 18h.
  • Entrada gratuita.
  • Classificação: 16 anos | Retirar ingresso no local com 1h de antecedência.
Comentários
Escola Entrópica no Instituto Tomie Ohtake Museu de Arte Moderna de São Paulo