Peça mostra a pornografia das superficiais relações interpessoais

(Créditos: Sol Faganello)

 

"O ser social, reduzido à condição de mero consumidor, não obtém satisfação plena consigo mesmo nem com o outro, porque até a vida amorosa esta impregnada pelas leis e normas do mercado. Para sobreviver, é imperativo que o homem de nossa época se liberte de qualquer vínculo com o passado, adotando como visão de mundo a fugacidade e o aspecto descartável dos seres e coisas". Assim o filósofo polonês Zygmunt Bauman descreve o indivíduo contemporâneo e sua relação com o consumo. 

Melancia, o novo espetáculo Cia. Monstro que estreia no Sesc Ipiranga, trabalha com a descartabilidade das relações do homem com pessoas ou objetos. A proposta do espetáculo dirigido pro Victor Mendes é enxergar quão precárias e sem profundidade são essas ligações, tornando-se pornográficas. 

A peça fica em cartaz de 30 de setembro a 29 de outubro, com ingressos de R$ 6 a R$ 20.

 

(Créditos: Sol Faganello)

 

Na história, quatro artistas tentam superar uma crise reinventando a maneira como trabalham. Juntos, decidem produzir um filme, apesar dos equipamentos precários e dos poucos recursos. Contudo, ninguém se interessa pelo longa. Moradores de uma cidade onde as relações sociais se dão pela lógica do consumo, qualquer tentativa de reflexão não sobrevive. Sem muitas saídas, encontram apenas uma solução: a pornografia. 

O elenco reúne uma turma de atores da Escola de Arte Dramática da USP composta por Ana Paula Lopez, Paulo Vinicius, Sol Faganello e Victor Mendes. Algumas das referências da montagem são a relação entre corpo e espaço da dança contemporânea e o filme cult chinês, O Sabor da Melancia.

 

(Créditos: Sol Faganello)

 

  • Espaço Viga - R. Capote Valente, 1323 - Pinheiros, São Paulo
    (11) 3801-1843
    + Ver mapa
  • 05/06/2017 a 21/06/2017
  • Segunda a quarta: 21h.
  • R$ 40 (inteira), R$ 20 (meia).
  • Classificação: 18 anos.
Comentários
Escola Entrópica no Instituto Tomie Ohtake Museu de Arte Moderna de São Paulo