Série da Netflix é tema de debate sobre representação negra

No mês da consciência negra, o Sesc promove um debate sobre representações do negro na sociedade a partir da série Dear White PeopleSociedades racializadas: Dear White People como reflexo da cultura jovem acontece no dia 11 de novembro, das 10h às 19h, no Centro de Pesquisa e Formação.

Para alguns autores dos estudos pós-coloniais, raça é uma ficção, que teve seu lugar no século XVIII, mas que se reinventa e ganha contornos de realidade e eficácia através de significados culturais e identitários. É, portanto, neste sentido que caminha a série Dear White People lançada pela Netflix neste ano.

 

(Créditos: Reprodução / Netflix)

 

A série foi inspirada no filme homônimo de Justin Simien, lançado em 2014, que conta a história de relação entre estudantes negros e brancos da Whinchester University, a partir de dois acontecimentos: um programa de rádio protagonizado por uma jovem negra e uma festa organizada pelos estudantes brancos que utiliza o blackface como tema.

A série causou polêmica quando questionou a tentativa americana de lançar o discurso da pós-racialidade como uma realidade atual nos Estados Unidos. Seja na realidade americana, seja na brasileira, não há muitos indícios de estarmos vivendo algum momento próximo de uma sociedade que tem a racialidade resolvida e as relações sedimentadas em igualdade de oportunidades.
 

(Créditos: Reprodução / Netflix)


Sociedades racializadas: Dear White People como reflexo da cultura jovem pretende utilizar a série como objeto de análise por entender que a provocação sobre o discurso da raça é estruturante nos dez capítulos da série e define, capítulo por capítulo, representações de como ser negro em sociedades que assumem o racismo mas, ainda constituem suas relações sócio-raciais a partir da supremacia branca como um parâmetro.

Seja América do Norte ou América do Sul, as relações raciais e suas consequências no mundo econômico, cultural e do afeto ainda são pautadas por racismo e desigualdades de oportunidade.
 

Participa do debate Ana Helena Passos, Doutora em Serviço Social pela PUC/RJ. Pesquisa estudos críticos da branquitude, racismo, história afro-brasileira e educação étnico-racial.

Para se increver, acesse o site do Centro de Pesquisa e Formação do Sesc.

  • Centro de Pesquisa e Formação do Sesc São Paulo - Rua Dr. Plínio Barreto, 285 - Bela Vista, São Paulo
    (11) 3254-5600
    + Ver mapa
  • 11/11/2017 a 11/11/2017
  • Sábado: 10h às 17h.
  • Inteira R$ 60. Meia R$ 30.
  • Classificação: 16 anos.
Comentários
Escola Entrópica no Instituto Tomie Ohtake Museu de Arte Moderna de São Paulo