Mia Couto inspira peça sobre África pós-colonial

O grupo carioca Amok Teatro começa o ano com Os Cadernos de Kindzu, espetáculo em curta temporada, de 1 a 18 de fevereiro, na Caixa Cultural São Paulo.

A peça tem como ponto de partida a obra Terra Sonâmbula e o universo do escritor moçambicano, Mia Couto, e conta a trajetória de Kindzu, que parte para uma viagem iniciática a fim de fugir das atrocidades de uma guerra civil.

Ao encontrar outros fugitivos, refugiados e personagens repletos de humanidade, o jovem tem a oportunidade de vivenciar novas experiências.

 

(Créditos: Divulgação / Daniel Barboza)

 

Kindzu é parte de uma trajetória iniciada com Salina (A Última vértebra), na qual o grupo investiga as formas narrativas, com inspiração em tradições de matriz africana. 

Salina e Kindzu trazem duas diferentes visões sobre o continente africano e duas diferentes propostas de linguagem cênica: enquanto o primeiro é um mergulho numa África ancestral, o segundo faz uma incursão numa África pós-colonial.

 

(Créditos: Divulgação / Daniel Barboza)

 

“O texto de Os Cadernos de Kindzu foi abordado com a abertura de quem busca um diálogo criativo e não uma tradução cênica de uma obra literária. Ao longo desse processo, uma nova narrativa foi se construindo. A trajetória de Kindzu e seus companheiros encontraram uma identidade própria na cena, porém não se afastaram da escrita de Mia Couto, da sua riqueza poética e suas imagens, ancoradas na cultura oral africana”, explica Stephane Brodt, que dirige a peça ao lado de Ana Teixeira. 

 

(Créditos: Divulgação / Daniel Barboza)
  • Caixa Cultural São Paulo - Praça da Sé, 111 - Centro, São Paulo
    (11) 3321-4400
    + Ver mapa
  • 01/02/2018 a 18/02/2018
  • Quinta a domingo: 19h15.
  • Entrada gratuita.
  • Classificação: 16 anos | Ingressos disponíveis na bilheteria a partir das 9h, no dia do evento.
Comentários
Escola Entrópica no Instituto Tomie Ohtake Museu de Arte Moderna de São Paulo