SIETE GRANDE HOTEL: A Sociedade das Portas Fechadas

 

(Créditos: Divulgação/Katia Kuwabara)

 

O Grupo Redimunho de Investigação Teatral reestreia Siete Grande Hotel: A sociedade das portas fechadas nos porões do Hotel Cambridge, no centro de São Paulo. A peça - uma experiência cênica - fica em cartaz até 10 de setembro na sede no grupo, na região central de São Paulo. 

Siete Grande Hotel: A Sociedade das Portas Fechadas apreende os caminhos de vidas esquecidas que ousaram e ousam percorrer o mundo contraditório da lembrança pelo esquecimento; mulheres e homens com a mesma sorte dos ventos, reinaugurando e refazendo essa ruína que é a memória, símbolo tão disputado pelos círculos de poder, que não se cansam de desenhar fronteiras com a velha trena de arame farpado. 

Crédito: (Divulgação/Katia Kuwabara)

Siete são as muitas árvores decepadas que não se deram conta que a vida, maior que tudo, segue e seguirá fertilizando a esterilidade de alguma esperança. 

Siete é um desafio ao sorriso sórdido do que há de treva no século XXI, treva que pensávamos soterrada mas germinou sob o signo do equívoco e do medo. 

Siete armou-se de estética e ética, contra a farsa. 

Siete, brotado, vem à tona para jorrar.

Crédito: (Divulgação/Katia Kuwabara)

Sempre palmilhado pelo horizonte da travessia, uma vez mais o Grupo Redimunho expõe a substância do seu teatro em meio a um novelo de estórias, interrogações e potentes fragmentos de um mundo cujo rosto se perdeu ou não podemos reconhecer.

De perdidos e achados também se compõe a narrativa de labirintos que o novo espetáculo Siete Grande Hotel: A Sociedade das Portas Fechadas apresenta.

Chamam de labirintos não porque sejam tortuosos e destinados aos tantos muros sem-saída do nosso tempo, mas porque traçam, ou refundam, o sinuoso caminho dos rios ao alimentar cada membro do Grupo com anônimas trajetórias alheias, as mais confiáveis para interrogar nossa história de espelho partido.

Crédito: (Divulgação/Katia Kuwabara)

Talvez, mais do que sinuosos, sejam subterrâneos, já que incorporam, também, muitas vidas andarilhas que, assim como a nossa, alcançou um lugar por querência e por ausência.

São vidas também marcadas pelo impedimento que brotam do mundo contemporâneo de guerras, mascaradas pela distância, como se não soubéssemos reconhecer o sofrimento do outro traduzido na angústia cotidiana de assistir o horror que naturalizamos feito um ansiolítico que pudesse salvar a mudez e a dúvida de toda a nossa passividade.

Confira aqui o teaser INCRÍVEL que eles produziram e que vai te deixar morrendo de vontade de assistir! 

  • Espaço Redimunho de Teatro - Rua Álvaro de Carvalho, 75 - , São Paulo
    + Ver mapa
  • 08/04/2018 a 10/09/2018
  • Domingo às 19h. Segunda, às 20h,
  • Pague quanto puder.
  • Ingressos apenas em dinheiro
Comentários
Escola Entrópica no Instituto Tomie Ohtake Museu de Arte Moderna de São Paulo