Fotógrafos abordam o jeito e a pele do corpo negro e baiano

Acontece, até 29 de abril, a exposição Jeito de Corpo, no Espaço Paulista de Arte.

A mostra, que nasce da observação dos fotógrafos Caroline Lima e Thiago Borba sobre a maneira de se mover dos baianos, sobretudo do corpo negro, é composta por 14 fotografias com o objetivo de fortalecer a identidade negra.

Partindo da estética natural da geografia corporal das pessoas negras e do povo baiano, com intuito de contribuir para reflexões, ações e ensino em torno de temas como: identidade, corpo negro, raça, relações ético-raciais, arte negra, representatividade, racismo e desconstrução da normatividade. 

 

(Créditos: Divulgação / Thiago Borba)

 

O trabalho apresentado pela fotógrafa Caroline Lima faz parte do seu projeto Recortes, no qual ela se insere nos micro-universos baianos em busca de movimentos genuínos. São imagens onde se pode enxergar o devir: corpos que parecem esperar por algo que está por vir. Por meio de poesia, simetria e beleza, a série clicada com celular representa o cotidiano de crianças na praia, do pescador no trabalho e da fé nas religiões afro-brasileiras.

 

(Créditos: Divulgação / Thiago Borba)

 

Thiago Borba participa com duas séries. Em Corpo Presente, ele que retrata a potência e a presença do corpo negro de maneira meticulosamente dirigida, colocando-o em posição de enfrentamento com o espectador e impondo a força da raça negra.

Na série Paraíso Oculto, o fotografo aborda a origem de uma raça em seu habitat natural – a paisagem exuberante da mata atlântica e tropical brasileira, remetendo a uma versão contemporânea e brasileira de Adão e Eva ou Erus, como preferir.

As folhagens da planta Costela de Adão servem como pano de fundo para essas imagens, trazendo um pouco da simbologia dessa origem a partir da potência da sua beleza, beleza essa pouco reconhecida e cultuada na cultura eurocêntrica que nos foi imposta.

 

(Créditos: Divulgação / Thiago Borba)
  • Espaço Paulista de Arte - Rua Francisco Leitão, 190-198 - Pinheiros, São Paulo
    (11) 3062-0653
    + Ver mapa
  • 12/04/2017 a 29/04/2017
  • Segunda a sexta: 10h às 18h. Sábado: 10h às 17h.
  • Entrada gratuita.
Comentários
Escola Entrópica no Instituto Tomie Ohtake Museu de Arte Moderna de São Paulo