Exposição sobre musicalidade jamaicana no centro de SP

O Sesc 24 de Maio localizado no centro de São Paulo abrigará entre 14 de março e 26 de agosto, JAMAICA JAMAICA!

Tendo a música como fio condutor, a exposição traça um panorama cronológico jamaicano que relaciona essa manifestação artística com os aspectos políticos, sociais e culturais pós-coloniais. 

Concebida pelo Cité de la Musique Philarmonie e com curadoria do jornalista e diretor cinematográfico francês Sébastien Carayol, a mostra busca ampliar a percepção para além dos estilos mais conhecidos (Reggae, Dub e Sound System) e para isso conta com um acervo variado vindo da Grã-Bretanha e França.

 

(Crédito: Divulgação/Gregory Issacs)

 

São fotografias, folhetos, capas de álbuns, materiais gráficos das festas, documentos, entre outros suportes pensados para ilustrar a diversidade patrimonial da Jamaica.

 

(Créditos: Times Store 78 Sleeve)

 

Considerando a produção contemporânea, a presença do artista Leasho Johnson com um painel de cerca de sete metros de comprimento.

Um dos recortes da exposição é a influência da música jamaicana no contexto brasileiro, mais especificamente nos estados do Maranhão (São Luís é conhecida como a "Jamaica Brasileira"), no Recôncavo baiano, onde se manteve as raízes jamaicanas tradicionais do rastafári, em Salvador com influência na música local (em especial no Samba Reggae e nos blocos afros) e em São Paulo fortalecendo a cultura do Sound System, os bailes de Dancehall e Reggae nas periferias da capital. 

Nos anos 50 o rádio foi o meio pelo qual houve uma difusão da música jamaicana. No ano de 1959 o arquiteto da independência jamaicana Norman Manley fundou a JBC (Jamaica Broadcasting Corporation) foi a primeira estação a dedicar-se a produção da Jamaica, priorizando-a em relação aos rítmos estrangeiros. 

Dessa forma o rádio tornou-se um símbolo de orgulho pois possibilitou a criação de um cenário e ajudou a estabelecer a indústria fonográfica na Jamaica. Tendo em vista esse contexto foi criada uma Rádio Jamaica para a exposição que poderá ser acessada também pelo portal do Sesc São Paulo. 

 

(Créditos: Time Store Callypsos 10)

 

A exposição está dividida em oito núcleos que buscam complexificar a produção da ilha caribenha. São eles: 1) Quatrocentos Anos - Música Rebelde: A Herança Múltipla da Escravidão, 2) Ska Da Independência! - A Trilha Sonora da Independência, 3) Hey Mr. Music! - Studio One, 4) The Black Ark E O Estúdio De King Tubby: Um Circuito De Produção Como Nenhum Outro No Mundo, 5) Sound The System! - O Verdadeiro Instrumento Musical da Jamaica, Black Man Time - Os Destinos Entrelaçados De “Jah, 6) Rastafari” E Marcus Garvey, Viemos de Trenchtown - Bob Marley, The Wailers E As Violências Políticas Na Jamaica, 7) Estilo Dancehall - A Música Jamaicana Depois de Bob Marley e 8) Mistério Sempre Há De Pintar Por Aí: Um olhar sobre a trajetória do reggae no Brasil.

 

Além da mostra também foi pensada uma programação integrada com palestras, oficinas, encontros, etc. O espaço também conta com uma equipe de educadores com formações variadas que estão estudando a exposição e estarão disponíveis para o diálogo com o público. 

  • Sesc 24 de maio - Rua 24 de Maio, 109 - Centro, São Paulo
    (11) 3350-6300
    + Ver mapa
  • 14/03/2018 a 26/08/2018
  • Terça a sábado: 9h às 21h. Domingos e feriados: 9h às 18h
  • Entrada gratuita.
Comentários
Escola Entrópica no Instituto Tomie Ohtake Museu de Arte Moderna de São Paulo