Em individual, Iván Argote questiona quão longe podemos chegar

A Galeria Vermelho apresenta Somos, individual de Iván Argote, que acontece de 5 de setembro a 7 de outubro.

Nascido em 1983, em Bogotá, na Colômbia, o trabalho de Iván Argote explora o comportamento humano, a forma como as pessoas se relacionam com o meio ambiente e nossos vínculos inexplicáveis com a história, tradição, arte, política e poder.

Argote cria instalações públicas, vídeos, fotografias e esculturas. Os monumentos públicos e estatuários são temas recorrentes em seu trabalho, que questiona os mecanismos de poder e autoridade. Argote explora a cidade como um lugar de transformação e possibilidades.

 

(Créditos: Reprodução / Facebook)

 

Em seu filme As Far As We Could Get (Até Onde Poderíamos Chegar, em tradução livre), o artista cava um túnel imaginário entre a Indonésia e a Colômbia, respectivamente entre os municípios de Palembang e Neiva.

Iván Argote relacionou-se com habitantes de condições sociais similares nos dois países, e seu foco eram os jovens nascidos no mesmo dia da queda do Muro de Berlim. Sentimentos, memória e História se circulam e aproximam as extremidades políticas da superfície terrestre.

 

(Créditos: Reprodução / Facebook)

 

Esse embate entre o sensível e o pétreo é o compasso das demais obras que compõem a exposição, inclusive em confronto com o filme que, desdobrado em sete capítulos, faz acender e escurecer a sala de exposição em intervalos que marcam o ritmo da observação das peças – enquanto um capítulo é projetado, a sala se torna escura e vice-versa.

No mesmo ambiente de As Far As We Could Get, está um conjunto de esculturas formadas por placas de aço carbono perfuradas e cortadas a laser, tituladas Sombras. Cada escultura é formada por diferentes folhas de aço que sobrepõem diferentes dizeres, formando hinos a partir desse acúmulo.

Frases que poderiam estar em cartazes de protesto se misturam com revelações afetivas, mais uma vez desbotando a linha entre sensibilidade e racionalidade, como em No Site is Innocent  de 2017, que mistura a frase do título (Nenhum Lugar é Inocente) com um termo de afeto amoroso: My Dear (Meu Querido).

 

(Créditos: Reprodução / Facebook)

 

  • Galeria Vermelho - Rua Minas Gerais, 372 - Consolação, São Paulo
    (11) 3138-1520
    + Ver mapa
  • 05/09/2017 a 07/10/2017
  • Terça a sexta: 10h às 19h. Sábado: 11h às 17h.
  • Entrada gratuita.

Tags:

Comentários
Escola Entrópica no Instituto Tomie Ohtake Museu de Arte Moderna de São Paulo