Curso do Sesc explora clássicos da literatura mundial

Ilustração de Odisséia de Homero (Créditos: Reprodução/ Pinterest)

 

Entre janeiro e abril, o Centro de Pesquisa e Formação do Sesc promove uma série de palestras nas quais grandes clássicos da literatura mundial serão debatidos com o público. O jornalista Welington Andrade será o responsável por explorar as possibilidades literárias, filosóficas, éticas e políticas das obras apresentadas. 

A primeira história estudada no projeto Por que ler os clássicos? será Odisseia, de Homero, no dia 23 de janeiro. O engenhoso fidalgo Dom Quixote de La Mancha, de Miguel de Cervantes será apresentado dia 20 de fevereiroAventuras de Alice no País das Maravilhas e Através do espelho e o que Alice encontrou lá, de Lewis Carroll, dia 20 de março, e O processo, de Franz Kafka, dia 17 de abril.

Welington Andrade
(Créditos: Reprodução/ Facebook)

"A alentada quantidade de best-sellers que o mercado editorial brasileiro despeja, sistematicamente, nas livrarias convida à reflexão sobre o papel da literatura no Brasil. Somente por meio do contato com as linguagens críticas e de sua fruição – incluídas nelas a literatura, as ciências humanas, a filosofia... –, podemos interagir de modo sofisticado com a tradição cultural e a memória social", comentou Andrade, que é doutor em literatura brasileira pela USP, professor da Faculdade Cásper Líbero, crítico de teatro e editor da Revista Cult.

No primeiro encontro, a palestra focará nos estratos culturais da prosa homérica, nas técnicas de construção narrativa empregadas e no confronto da natureza humana presentes na obra. As inscrições custam de R$ 7,50 a R$ 15 e podem ser feitas clicando aqui. Há apenas 30 vagas disponíveis. 

  • Centro de Pesquisa e Formação do Sesc São Paulo - Rua Dr. Plínio Barreto, 285 - Bela Vista, São Paulo
    (11) 3254-5600
    + Ver mapa
  • 23/01/2017 a 17/04/2017
  • Segunda: 14h30 às 16h30.
  • R$ 15 (inteira), R$ 7,50 (meia) e R$ 4,50 (credencial plena do Sesc)
  • Classificação: 16 anos.
Comentários
Escola Entrópica no Instituto Tomie Ohtake Museu de Arte Moderna de São Paulo