Carta escrita por índios guarani kaiwoá inspira peça

  •  (Crédito: Luiza Fardin)
    (Crédito: Luiza Fardin)
  •  (Crédito: Luiza Fardin)
    (Crédito: Luiza Fardin)
  •  (Crédito: Luiza Fardin)
    (Crédito: Luiza Fardin)

    Após duas temporadas no Rio de Janeiro, Se Eu Fosse Iracema desembarca em São Paulo trazendo a história de Fernando Marques baseada numa carta escrita por índios guarani kaiwoá. O espetáculo, que propõe uma reflexão sobre a situação indígena no passado e atualmente, fica em cartaz no Sesc Ipiranga, de 13 de janeiro a 12 de fevereiro, com ingressos de R$ 6 a R$ 20.

    A produção bebeu da água de grandes filmes e livros, como Índio cidadão?, de Rodrigo Siqueira, e A queda do céu – Palavras de um xamã yanomami, de Davi Kopenawa e Bruce Albert. "A variedade de referências foi fundamental porque não queríamos falar sobre uma ou outra etnia, mas buscamos um olhar abrangente sobre os povos originários, que são muitos e diversos", comentou o dramaturgo.

    Na carta escrita em 2012 que inspirou a peça, os guarani kaiwoá pediam que sua morte fosse decretada, em vez de tirarem sua terra. No monólogo, o diretor Fernando Nicolau questiona se é possível a coexistência entre ocidentais, índios e mestiços.

    "É uma honra a possibilidade de falar sobre este assunto, de ecoar essas vozes tão caladas desde 1500. Olhamos tão pouco para os índios, e as questões permanecem as mesmas até hoje", ressaltou Adassa Martins. O início do espetáculo se dá com a figura do pajé, simbolizando a sabedoria, que é seguido por um texto em guarani interpretado pela atriz. 

    Sem compromisso com a linearidade, a trama traz temas muito presentes em mitos e ritos dos povos brasileiros nativos. "Escolhemos trabalhar o ciclo da vida: a origem do mundo, a infância, a adolescência, a fase adulta na figura da mulher e o ancião, na figura do pajé chegando ao fim do mundo", explicou Nicolau.

    • Sesc Ipiranga - Rua Bom Pastor, 822 - Ipiranga , São Paulo
      (11) 3340-2000
      + Ver mapa
    • 13/01/2017 a 12/02/2017
    • Sextas: 21h30. Sábados: 19h30. Domingos: 18h30.
    • R$ 20 (inteira), R$ 10 (meia) e R$ 6 (credencial plena do Sesc).
    • Classificação: 16 anos.
    Comentários
    Escola Entrópica no Instituto Tomie Ohtake Museu de Arte Moderna de São Paulo