A loucura que deu asas a Drummond e a Bara

Em "Doida", Teuda Bara é dirigida por Inês Peixoto (Grupo Galpão) e contracena com o caçula Admar Fernandes (Créditos: Divulgação) 


Toda manhã os meninos desciam para tomar banho no riacho. Mas era bom passar pela casa da doida e provocá-la. Assim, gerações sucessivas de moleques passavam pela casinha, miravam as vidraças e lascavam uma pedra. Neste cenário tão poético, quanto cinematográfico, uma das fundadoras e integrante do Grupo Galpão (MG), Teuda Bara se veste de lirismo e dá à luz o espetáculo Doida, em cartaz no Sesc Santana, até dia 20 de março. 

Dirigida pela atriz e colega do Galpão, Inês Peixoto, Teuda realiza um projeto pessoal germinado há mais de 10 anos. Inspirada pela obra do itabirano Carlos Drummond de Andrade, a atriz combina a prosa e o verso do escritor com a dramaturgia de João Santos, que ainda lança um perfil biográfico de Teuda Bara, no dia 5 de março. 

Doidos são também anjos tortos, podendo revelar outras realidades, e nos convidando para o lado gauche da vida
 

A história tem por base, os relatos de personagens célebres - Stela do Patrocínio, Arthur Bispo do Rosário, Sinhá Olympia - e os internos da colônia de Barbacena. Teuda também emprestou lembranças e histórias de mulheres da família, que seguiram pelo caminho da transgressão e de subversão, sendo por vezes confundidas com a loucura.  

Neste enredo, a trilha sonora composta pelo caçula da atriz, Admar Fernandes, que a interpreta ao vivo, salpica recordações do passado e evoca outros cenários. Ator, Admar ainda contracena com a  mãe quando interpreta um menino que ousa dialogar com a Doida da cidade. Ele também faz as vezes de narrador da história. 

Tanto Doida quanto o lançamento do livro fazem parte do projeto De|generadas que discute o feminismo no Sesc Santana em suas diversas vertentes. Na programação: ciclos de conversas, mostra de performances, apresentações de dança, cinema e uma feira de produtos. Leia mais aqui no Beijo

::LANÇAMENTO DO LIVRO e BATE-PAPO::
 

No dia 5 de março, o jornalista João Santas lança Teuda Bara – Comunista demais para ser Chacrete, com a presença da atriz e também da diretora Inês Peixoto. Intitulado pelo autor como um perfil biográfico, o livro foi editado graças a uma campanha virtual de financiamento coletivo. Toda a pesquisa é resultado do trabalho de conclusão do curso de Comunicação Social pela UFMG, de João Santos, que trabalhou com o Grupo Galpão, em Belo Horizonte, de 2009 a 2013. 

"As histórias de Teuda dizem muito sobre a cidade de Belo Horizonte, dizem muito também sobre a história recente do país e, sobretudo, fazem despertar, em nossos corações, aquela atitude libertária que o cotidiano repressor tenta suprimir. Teuda é livre, e liberdade contagia", já disse o autor.  

Dia: 5/03 - sábado, das 16h às 17h30
Local: Teatro Sesc Santana
Tel: (11) 2971 8700
Classificação: 12 anos
Ingressos: Gratuito (mediante lotação do espaço)

  • Sesc Santana - Avenida Luiz Dumont Villares, 579 - Santana , São Paulo
    (11) 2971-8700
    + Ver mapa
  • 26/02/2016 a 20/03/2016
  • Sexta e sábado, às 21h, domingo, às 18h (A apresentação do dia 13/03 contará com serviço de audiodescrição)
  • R$ 30,00 e R$ 9,00 (credenciado no Sesc)
  • Classificação: 12 anos
Comentários
Escola Entrópica no Instituto Tomie Ohtake Museu de Arte Moderna de São Paulo