Quero um amor pra chamar de rua

22 agosto 2017

O amor está passando por uma crise crise existencial.

Sim.

Ele nos persegue em posts de redes sociais, encorajando moços e moças a se declarar; em cartazes, grafites e panfletos pelos cinzas de SP; nas músicas-chiclete de playlists elaboradas para tardes de chuva; em despretensiosas peças de teatro; e em boa parte dos banheiros públicos.

 

Da mesma forma, ele nos dá as costas quando o reconhecemos num sambinha de domingo; no dia em que decidimos passar o batom vermelho; naquele momento em que o suspiro alcança o céu da boca; na hora exata em que os dois se olham fixamente e o silêncio é acolhedor; naquele dia em que você comprou um par de meias para aquecer os pés dele ou dela. 

 

Nunca antes na história do Brasil e tra-lá-lá, falou-se tanto sobre e praticou-se tão pouco o AMOR. 

 

 

Estranho seria não perceber que as ruas tornaram-se palanque para expressões deste sentimento que (ainda) não caducou no espaço urbano. 

 

 

E você? Já achou o seu? 

 

 

[Série de imagens registradas pela colunista na cidade de SP]

Comentários
Escola Entrópica no Instituto Tomie Ohtake Museu de Arte Moderna de São Paulo